site de poesias coligidas de
F E R N A N D O   P E S S O A
http://www.fpessoa.com.ar

<<Voltar-Volver>>


Vive
Vive, dizes, no presente,
Vive só no presente.

Mas eu não quero o presente, quero a realidade;
Quero as cousas que existem, não o tempo que as mede.

O que é o presente?
É uma cousa relativa ao passado e ao futuro.
É uma cousa que existe em virtude de outras cousas existirem.
Eu quero só a realidade, as cousas sem presente.

Não quero incluir o tempo no meu esquema.
Não quero pensar nas cousas como presentes; quero pensar nelas como cousas.
Não quero separá-las de si-próprias, tratando-as por presentes.

Eu nem por reais as devia tratar.
Eu não as devia tratar por nada.

Eu devia vê-las, apenas vê-las;
Vê-las até não poder pensar nelas,
Vê-las sem tempo, nem espaço,
Ver podendo dispensar tudo menos o que se vê.
É esta a ciência de ver, que não é nenhuma.
Vive, dices, en el presente,
Vive sólo en el presente.

Pero yo no quiero el presente, quiero la realidad;
Quiero las cosas que existen, no el tiempo que las mide.

¿Qué es el presente?
Es una cosa relativa al pasado y al futuro.
Es una cosa que existe en virtud de otras cosas que existen.
Yo quiero sólo la realidad, las cosas sin presente.

No quiero incluir al tiempo en mi esquema.
No quiero pensar las cosas como presentes; quiero pensar en ellas como cosas.
No quiero separarlas de sí mismas, tratándolas por presentes.

Yo ni por reales las debería tratar.
Yo no las debería tratar por nada.

Yo debería verlas, apenas verlas;
Verlas hasta no poder pensar en ellas,
Verlas sin tiempo, ni espacio,
Ver pudiendo dispensar todo menos lo que se ve.
Es esta ciencia de ver, que no es ninguna.
Poemas Inconjuntos
Alberto Caeiro
19-7-1920

©2004-12-13 by Sebastián Santisi, all rights reserved.


<<Voltar-Volver>>