site de poesias coligidas de
F E R N A N D O   P E S S O A
http://www.fpessoa.com.ar

<<Voltar-Volver>>


Adiamento
Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã...
Levarei amanhã a pensar em depois de amanhã,
E assim será possível; mas hoje não...
Não, hoje nada; hoje não posso.
A persistência confusa da minha subjetividade objetiva,
O sono da minha vida real, intercalado,
O cansaço antecipado e infinito,
Um cansaço de mundos para apanhar um elétrico...
Esta espécie de alma...
Só depois de amanhã...
Hoje quero preparar-me,
Quero preparar-me para pensar amanhã no dia seguinte...
Ele é que é decisivo.
Tenho já o plano traçado; mas não, hoje não traço planos...
Amanhã é o dia dos planos.
Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo;
Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã...
Tenho vontade de chorar,
Tenho vontade de chorar muito de repente, de dentro...

Não, não queiram saber mais nada, é segredo, não digo.
Só depois de amanhã...
Quando era criança o circo de domingo divertia-me toda a semana.
Hoje só me diverte o circo de domingo de toda a semana da minha infância...
Depois de amanhã serei outro,
A minha vida triunfar-se-á,
Todas as minhas qualidades reais de inteligente, lido e prático
Serão convocadas por um edital...
Mas por um edital de amanhã...
Hoje quero dormir, redigirei amanhã...
Por hoje, qual é o espetáculo que me repetiria a infância?
Mesmo para eu comprar os bilhetes amanhã,
Que depois de amanhã é que está bem o espetáculo...
Antes, não...
Depois de amanhã terei a pose pública que amanhã estudarei.
Depois de amanhã serei finalmente o que hoje não posso nunca ser.
Só depois de amanhã...
Tenho sono como o frio de um cão vadio.
Tenho muito sono.
Amanhã te direi as palavras, ou depois de amanhã...
Sim, talvez só depois de amanhã...

O porvir...
Sim, o porvir...
Pasado mañana, sí, sólo pasado mañana...
Llevaré el mañana pensando en pasado mañana,
Y así será posible; pero hoy no...
No, hoy nada; hoy no puedo.
La persistencia confusa de mi subjetividad objetiva,
El sueño de mi vida real, intercalado,
El cansancio anticipado e infinito,
Un cansancio de mundos para tomar un eléctrico...
Esta especie de alma...
Sólo pasado mañana...
Hoy quiero prepararme,
Quiero prepararme para pensar mañana en el día siguiente...
Él es el que es decisivo.
Tengo ya el proyecto(*) trazado; pero no, hoy no trazo proyectos...
Mañana es el dia de los proyectos.
Mañana me sentaré en el escritorio para conquistar el mundo;
Pero sólo conquistaré el mundo pasado mañana...
Tengo ganas de llorar,
Tengo ganas de llorar muy de repente, de adentro...

No, no quieran saber más nada, es secreto, no lo digo.
Sólo pasado mañana...
Cuando era niño el circo dominical me divertía toda la semana.
Hoy sólo me divierte el circo dominical de toda la semana de mi infancia...
Pasado mañana seré otro,
Mi vida trinfará,
Todas mis cualidades reales de inteligente, culto y práctico
Serán convocadas por una solicitud...
Pero por una solicitud de mañana...
Hoy quiero dormir, redactaré mañana...
Por hoy, ¿cuál es el espectáculo que me repetiría la infancia?
Incluso para comprar los boletos mañana,
Que pasado mañana es que está bien el espectáculo...
Antes, no...
Pasado mañana tendré la pose pública que mañana estudiaré.
Pasado mañana seré finalmente lo que hoy no puedo nunca ser.
Sólo pasado mañana...
Tengo sueño como el frio de un perro vago.
Tengo mucho sueño.
Mañana te diré las palabras, o pasado mañana...
Sí, tal vez sólo pasado mañana...

El porvenir...
Sí, el porvenir...
Solução Editora, I, Lisboa, 1929
Álvaro de Campos
14-4-1928

(*) N.d.T: En el original dice plano, que puede traducirse como plan o como plano; lo cual es una ambigüedad siendo Álvaro de Campos ingeniero, creo que proyecto preserva ese juego.

©2004-12-18 by Sebastián Santisi, all rights reserved.


<<Voltar-Volver>>