site de poesias coligidas de
F E R N A N D O   P E S S O A
http://www.fpessoa.com.ar

<<Voltar-Volver>>


Quem Me Dera
Quem me dera que a minha vida fosse um carro de bois
Que vem a chiar, manhãzinha cedo, pela estrada,
E que para de onde veio volta depois
Quase à noitinha pela mesma estrada.

Eu não tinha que ter esperanças — tinha só que ter rodas...
A minha velhice não tinha rugas nem cabelo branco...
Quando eu já não servia, tiravam-me as rodas
E eu ficava virado e partido no fundo de um barranco.
Quién me diera que mi vida fuera un carro de bueyes
Que viene chillando, temprano en la mañanita, por el camino,
Y que hacia de donde vino vuelve después
Casi a la nochecita por el mismo camino.

Yo no tendría que tener esperanzas — tendría sólo que tener ruedas...
Mi vejez no tendría arrugas ni cabello blanco...
Cuando yo ya no sirviera, me sacarían las ruedas
Y yo quedaría dado vuelta y partido en el fondo de un barranco.
O Guardador De Rebanhos
Alberto Caeiro
08-03-1914

©2004-12-21 by Sebastián Santisi, all rights reserved.


<<Voltar-Volver>>


www.fpessoa.com.ar