site de poesias coligidas de
F E R N A N D O   P E S S O A
http://www.fpessoa.com.ar

<<Voltar-Volver>>


Os Antigos
Os antigos invocavam as Musas.
Nós invocamo-nos a nós mesmos.
Não sei se as Musas apareciam —
Seria sem dúvida conforme o invocado e a invocação. —
Mas sei que nós não aparecemos.
Quantas vezes me tenho debruçado
Sobre o poço que me suponho
E balido "Ah!" para ouvir um eco,
E não tenho ouvido mais que o visto —
O vago alvor escuro com que a água resplandece
Lá na inutilidade do fundo...
Nenhum eco para mim...
Só vagamente uma cara,
Que deve ser a minha, por não poder ser de outro.
E uma coisa quase invisível,
Exceto como luminosamente vejo
Lá no fundo...
No silêncio e na luz falsa do fundo...

Que Musa!...
Los antiguos invocaban a las Musas.
Nosotros nos invocamos a nosotros mismos.
No sé si las Musas aparecían —
Sería sin duda conforme a lo invocado y a la invocación. —
Pero sé que nosotros no aparecemos.
Cuántas veces me he asomado
Sobre el pozo que me supongo
Y balido "¡Ah!" para oir un eco,
Y no he oido más que lo visto —
El vago albor oscuro con el que el agua resplandece
Allá en la inutilidad del fondo...
Ningún eco para mí...
Sólo vagamente una cara,
Que debe ser la mia, por no poder ser de otro.
Y una cosa casi invisible,
Excepto como luminosamente veo
Allá en el fondo...
En el silencio y en la luz falsa del fondo...

¡Qué Musa!..

Álvaro de Campos

©2004-12-25 by Sebastián Santisi, all rights reserved.


<<Voltar-Volver>>


la-nutria.com.ar