site de poesias coligidas de
F E R N A N D O   P E S S O A
http://www.fpessoa.com.ar

<<Voltar-Volver>>


Nem Sempre Sou Igual
Nem sempre sou igual no que digo e escrevo.
Mudo, mas não mudo muito.
A cor das flores não é a mesma ao sol
De, que quando uma nuvem passa
Ou quando entra a noite
E as flores são cor da sombra.

Mas quem olha bem vê que são as mesmas flores.
Por isso quando pareço não concordar comigo,
Reparem bem para mim:
Se estava virado para a direita,
Voltei-me agora para a esquerda,
Mas sou sempre eu, assente sobre os mesmos pés –
O mesmo sempre, graças ao céu e à terra
E aos meus olhos e ouvidos atentos
E à minha clara simplicidade de alma...
No siempre soy igual en lo que digo y escribo.
Cambio, pero no cambio mucho.
El color de las flores no es el mismo al sol
Que que cuando una nube pasa
O cuando entra la noche
Y las flores son color de sombra.

Pero quien mira bien ve que son las mismas flores.
Por eso cuando parezco no concordar conmigo,
Reparen bien en mí:
Si estaba vuelto para la derecha,
Me volví ahora para la izquierda,
Pero soy siempre yo, asentado sobre los mismos pies –
El mismo siempre, gracias al cielo y a la tierra
Y a mis ojos y oidos atentos
Y a mi clara simplicidad de alma...
O Guardador De Rebanhos
Alberto Caeiro
13-03-1914

©2004-12-27 by Sebastián Santisi, all rights reserved.


<<Voltar-Volver>>